graves 1

Ser Will

Imagine-se no lugar de Will. Você tem 16 anos e nasceu para uma vida de poder e privilégios. Há um espetáculo público acontecendo, a queima de sete bruxas na fogueira, e você caminha no meio da multidão, absorvendo a atmosfera do evento. E então, nada...
Em um momento, você caminha pela multidão e, no momento seguinte, acorda na escuridão. Tenta se mover, mas não consegue. Quanto tempo leva para perceber que está em um caixão, que foi enterrado vivo? Você grita e entra em pânico, cravando as unhas na madeira, da mesma forma que tantos outros devem ter feito em uma época em que ser enterrado vivo era um risco muito real. Você consegue destruir a madeira apodrecida, mas o pânico aumenta quando a terra começa a cair dentro do caixão que desmorona. De alguma forma, após uma luta desesperadora, você consegue escapar e se encontra em uma câmara estranha muito abaixo da terra; mas o maior choque ainda está por vir.
Pois você não foi enterrado vivo ontem nem semana passada. Foi enterrado vivo 93 anos atrás. Todas as pessoas que conheceu um dia estão mortas. Sua aparência não mudou nada, exceto por uma necessidade dentro de você, uma necessidade que o leva a rasgar a carne das pessoas que encontra. Você não tem como saber o que se tornou nem se houve uma razão para isso, não tem ideia de quanto tempo vai viver nem o motivo de estar vivo.
Você começa a entender um pouco sobre sua condição. Sabe que está existindo entre a vida e a morte. Ocasionalmente você hiberna, sempre esperando que a morte lhe chame e, toda vez que desperta, enterrado no solo, tem uma breve lembrança do primeiro pânico que sentiu em 1349. Aprende também que deve viver sozinho, pois qualquer pessoa de quem se aproximar ficará velha e morrerá diante de seus olhos. Leva centenas de anos até ouvir a palavra “vampiro” – surpreendentemente, você não consegue se acostumar a chamar a si mesmo dessa forma.
E assim a história continua, século após século, até que, finalmente, você entra na vida de um mendigo chamado Jex, e uma garota chamada Eloise, que fugiu de casa, entra na sua.
Imagine, por um momento, ser o Vampiro de Mércia...

Voltar

You are viewing the text version of this site.

To view the full version please install the Adobe Flash Player and ensure your web browser has JavaScript enabled.

Need help? check the requirements page.


Get Flash Player